domingo, 31 de maio de 2015

Onde anda o Nuno Rogeiro?



N. R. ‑ Somos, por forma­ção e convicção política, nacionalistas, isto é, concebemos uma realidade tridimensional, a Nação portuguesa, alicerçada nas gerações passadas, conti­nuada na geração presente, dada de herança à geração futura. Por isso, entendemos Portugal superior ao egoísmo de classes, grupos, partidos ou personali­dades, e por isso também te­mos uma visão social da reali­dade portuguesa. Face à proli­feração partidária e ao despo­tismo parlamentar, contrapo­mos algo de radicalmente dife­rente. Para nós é o "país real" que deve estar representado no poder, através das suas entida­des mais representativas (sindi­catos, municípios, escolas, etc.). Defendemos, para além disso, uma estrutura económica que não se baseie no domínio dos "trusts" multinacionais e que assegure o eficaz mecanis­mo de distribuição de rendi­mentos, apontando para uma política avançada de justiça so­cial. Defendemos, ainda, o ver­dadeiro sindicalismo, liberto da intromissão partidária. Face aos que nos apelidam de "es­querdistas", por lutarmos por tudo isto, dizemos claramente que nunca fomos capazes de pensar a nação separada do po­vo que a constitui. Àqueles que nos apodam de "fascistas", pensando insultar‑nos, lançamos, para além do nosso des­prezo, a firme determinação de nunca ceder perante a traição, a ignorância e a opressão. 
De tudo isto deriva a nossa discordância em relação ao ac­tual espectro político, reflexo de um sistema injusto que se prende nas construções formais e não liga à realidade nacional. Não somos um partido nem as nossas ideias são partidarizá­veis. 

"A Rua" ‑ Não se inserem, então, no esquema partidário da "direita"?

N. R. ‑ Evidentemente que não. Temos um estilo, uma éti­ca e uma atitude ideológica que nos afastam do espírito mera­mente reaccionário, meramente anticomunista, e do fulanismo tão próprios às seitas "direitis­tas" hoje muito em voga. 


da entrevista concedida ao jornal "A Rua", a 1 de Fevereiro de 1978 (ler a entrevista completa aqui

1 comentário: