domingo, 20 de abril de 2014

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Última esperança




Estas são as palavras do Coronel Claus von Stauffenberg, que, em 1944, organizou um atentado contra Hitler e, pouco antes de avançar e morrer na sequência do fracasso do golpe, pôs por escrito a esperança dos conjurados. São ideias inspiradas na filosofia nacional conservadora (como indicou Dominique Venner) e que constituíam o programa da resistência alemã - o pós-guerra revelar-se-ia, porém, muito diferente. Estas são as palavras que conjuravam o nascimento de uma nova Europa:

"Queremos uma ordem nova que garanta o direito e a justiça, na qual o Estado assente em cada um de nós; mas rejeitamos a mentirosa noção da igualdade e inclinamo-nos perante a hierarquia natural. Queremos um povo que, enraizado na terra da sua pátria, se mantenha próximo das forças da natureza, um povo livre e orgulhoso que, dominando os baixos instintos da inveja e da cobiça, encontre a sua felicidade e a sua satisfação no quadro estabelecido da sua actividade. Queremos dirigentes que, oriundos de todas as camadas da sociedade, e ligados às forças divinas, se imponham pelo seu sentido moral, a sua disciplina e o seu espírito de sacrifício."