domingo, 9 de junho de 2013

Um herói monárquico



"O que eu procurava era o nome de Frederico Pinheiro Chagas, tenente da Armada Real Portuguesa.
Essa flor de rapaz nunca me disse o que faria na hipótese duma revolução republicana.
E, todavia, eu conhecia-lhe tão bem o carácter, que todo o meu pensamento, desde as primeiras notícias da sublevação da armada, foi para ele.
Eu sabia que o Frederico, àquela hora, estava com certeza morto, ferido, ou pelo menos, prisioneiro, não por se render para poupar a vida, mas preso tão de abordagem que lhe não dessem tempo de apertar o gatilho do revólver.
Não tive que procurar muito.
Lá vinha:

‘Suicídio do tenente da Armada Frederico Pinheiro Chagas
Por não querer render-se, quando ia buscar os torpedeiros a Vale de Zebro, como a guarnição se revoltasse, desfechou um tiro no coração o tenente da Armada Frederico Pinheiro Chagas.’

Foram as primeiras palavras que me custou a proclamação do novo regímen.
Mas quando soube em toda a sua grandeza, feita de simplicidade, a morte honrada de Frederico Pinheiro Chagas, chorei ainda mais, de saudade e de gratidão também por esse lindo rapaz que assim protestava contra tanta cobardia que a monarquia deitou de si.
E quando o país ler a nossa descrição, verá que também se cobrirá de lágrimas e se descobrirá de respeito, perante o cadáver desse rapaz de vinte e oito anos que deu, com a elevação da simplicidade, uma lição de honra a tantos que nem com as cãs sabem o que é esse sentimento tão simples e tão raro: a honra."

Joaquim Leitão, 'Diário dos Vencidos - o 5 de Outubro visto pelos monárquicos em 1910".
 

Joaquim Leitão (1875-1956) logo a 5 de Outubro de 1910 desceu do Porto a Lisboa para ver o que se passava. Joaquim Leitão foi, nas palavras de Vasco Pulido Valente, o cronista oficial da futura resistência monárquica contra a República. O livro "Diário dos Vencidos" é uma colectânea de entrevistas aos monárquicos que ainda restavam, aqueles que queriam ainda salvar a pátria e que acreditavam quer os ideais da honra ainda tinham valor.

Sem comentários:

Enviar um comentário