sexta-feira, 26 de abril de 2013

El-rei




Longe da luz
A que sonhou na infância
Em vez de predomínio e de conquista
Sonhos de amor
Entre visões de artista
Morreu de desconsolo e de distância

Caminho aberto
À morte por essa ânsia
Que mais se exalta
Quanto mais contrista
De quem recorda o lar que nunca avista
E se consome em lúcida constância

Porque acima do trono e da realeza
Havia o céu azul, a claridade
Da sua amada Terra Portuguesa
Havia a Pátria, e dizem, que impiedade
Dizem que não se morre de tristeza
Dizem que não se morre de saudade.



 José Campos e Sousa canta o poema de Branca de Gonta Colaço (Lisboa, 8 de Julho de 1880 — Lisboa, 22 de Março de 1945).

Sem comentários:

Enviar um comentário